Bandeira da República Portuguesa

Bandeira da República Portuguesa
Bandeira da República Portuguesa desde 30 de Junho de 1911 ( menos de um ano após a revolução republicana de 5 de Outubro de 1910 )

2014/12/01

Excertos de "Mensagem" de Fernando Pessoa


   MAR PORTUGUÊS


  
                                                 I
                                          O Infante
                          Deus quer, o homem sonha, a obra nasce. 
                           Deus quis que a terra fosse toda uma, 

                            Que o mar unisse, já não separasse. 

                           Sagrou-te, e foste desvendando a espuma, 







                          E a orla branca foi de ilha em continente, 

                                             Clareou, correndo, até ao fim do mundo, 

                                               E viu-se a terra inteira, de repente                                                                                                          Surgir, redonda, do azul profundo. 

Quem te sagrou criou-te português. 
Do mar e nós em ti nos deu sinal. 
Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez. 
Senhor, falta cumprir-se Portugal! 




Mar Português 


Ó mar salgado, quanto do teu sal 

São lágrimas de Portugal! 
Por te cruzarmos, quantas mães choraram, 
Quantos filhos em vão rezaram! 
Quantas noivas ficaram por casar 
Para que fosses nosso, ó mar! 

Valeu a pena? Tudo vale a pena 
Se a alma não é pequena. 
Quem quer passar além do Bojador 
Tem que passar além da dor. 
Deus ao mar o perigo e o abismo deu, 
Mas nele é que espelhou o céu.


XII 

Prece 

Senhor, a noite veio e a alma é vil. 
Tanta foi a tormenta e a vontade! 

Restam-nos hoje, no silêncio hostil, 
O mar universal e a saudade. 

Mas a chama, que a vida em nós criou, 
Se ainda há vida ainda não é finda. 
O frio morto em cinzas a ocultou: 
A mão do vento pode erguê-la ainda. 

Dá o sopro, a aragem – ou desgraça ou ânsia -, 
Com que a chama do esforço se remoça, 
E outra vez conquistaremos a Distância – 
Do mar ou outra, mas que seja nossa! 
.

                                                                               In “Mensagem”
                                                                                de Fernando Pessoa

Sem comentários:

Publicar um comentário